Últimos Posts

USO DO CARRO DO DAEP: Juiz recebe a inicial da ação de improbidade administrativa contra o ex-diretor presidente Lourival Rodrigues dos Santos


No último dia 11/03/16, o Juiz de Direito Dr. Heber Gualberto Mendonça recebeu a inicial da Ação de Improbidade contra o ex-diretor presidente do Daep Lourival Rodrigues dos Santos em razão da suposta utilização do veículo oficial para fins particulares.

Segue a transcrição da decisão:

Remetido ao DJE
Relação: 0086/2016
Teor do ato: VISTOS.

A petição inicial deve ser recebida.

Em regra, a petição inicial da ação de improbidade deve vir acompanhada de elementos mínimos acerca da existência do ato de ímprobo, ou seja, deve conter, além das condições gerais da ação, condição específica para o seu processamento, consistente na justa causa para o ajuizamento da demanda.

Compulsando os autos, estão presentes os indícios de autoria e materialidade dos fatos, eis que, neste juízo de cognição sumária, há sinais suficientes das alegadas ilegalidades perpetradas no suposto uso de veículo público para fins particulares pelo então Diretor do DAEP, ora requerido, na gestão 2005/2012.

Além do enquadramento, ao menos, no tipo previsto no artigo 9, caput e inciso XII, subsidiariamente, artigo 10, caput, subsidiariamente, e artigo 11, caput, da Lei nº 8.429/92, porquanto há elementos indiciários, até então não desconstituídos pelo quanto trazido na defesa preliminar apresentada pelo requerido às fls. 229/240, que está a apontar acréscimo indevido de forma indireta ao patrimônio, pois deixou de gastar com o uso de veículo particular substituído pela coisa pública, havendo, em tese, enriquecimento indireto sob forma de prestação negativa, tendo em vista que, em substituição do automóvel particular do réu, foi utilizado, em hipótese, veículo público.

Consigna-se que, embora intimada para, querendo, ingressar no feito, quedou-se inerte a Fazenda Municipal de Penápolis (fls. 223, 226)

Sendo assim, sob todos os ângulos analisados, há indícios de autoria e materialidade, de sorte que o recebimento da ação é provimento absolutamente viável.

Diante disso:

1. RECEBO a inicial e determino a citação do requerido para que, no prazo legal, apresente contestação, nos termos do art. 17, §9º, da Lei nº 8.429/92.

2. Após, sendo alegada pela defesa preliminar ou fato constitutivo, impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do requerente, abra-se prazo para manifestação/impugnação, em 10 (dez) dias.

3. Cumpridos os itens anteriores, voltem os autos conclusos para análise da viabilidade de julgamento antecipado ou determinação de dilação probatória.

Int. Cumpra-se.

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo

Publicações Recentes

»

Prefeito Célio concede uso gratuito da incubadora para ex-secretário municipal

O prefeito Célio de Oliveira concedeu, por meio do decreto nº ...

»

Negado provimento ao recurso do prefeito interino Rubens Bertolini relativo a sua nomeação sem concurso

O juiz de Direito Dr. Augusto Bruno Mandelli negou provimento aos ...

»

Apelação do ex-prefeito Célio de Oliveira é rejeitada

No último dia 31/01/2017, o Tribunal de Justiça do Estado de São ...